Forum ViSiBLe

Bem Vindo
Se registrares neste fórum, podes fazer parte da nossa comunidade.Prezamos aqui pela participação ACTIVA de cada membro.


Atençao: Nao precisa Confirma a sua conta no hotmail (Basta Registrar e Começar a participar do forum.)
Precisamos de administradores e moderadores!! Clique Aqui!

Anuncio


    Historia do wow Parti 2

    Compartilhe

    Evel
    Coordenador
    Coordenador

    Número de Mensagens : 300
    Idade : 22
    Localização : Tramandai
    Agradecimentos Agradecimentos : 11
    Data de inscrição : 02/03/2010

    Historia do wow Parti 2

    Mensagem por Evel em 9/21/2010, 20:52

    Fundando Quel’Thalas
    6.800 anos antes de Warcraft I
    Os High Elfs, conduzidos por Dath'Remar, para a esquerda de Kalimdor e acabaram desafiando as tempestades do Maelstrom. Os destroços de suas frotas vagaram o mundo durante muitos anos, e eles descobriram mistérios e reinos perdidos ao longo de sua curta estada. Dath'Remar que tinha levado o nome Sunstrider ou "ele que caminha de dia", procurou lugares de considerável poder para o qual construiria uma pátria nova para as suas pessoas.
    Sua frota finalmente parou nas praias dos homens do reino chamado de Lordaeron. Forjando no interior, os High Elfs fundaram uma determinação dentro das tranqüilas Clareiras de Tirisfal. Depois de alguns anos, muitos deles começaram a pender para o mal. Foi teorizado que algo de mal dormia debaixo daquela parte em particular do mundo, mas nunca foi provado que seus rumores eram verdades. Os High Elfs empacotaram seus acampamentos e se moveram em direção ao norte para outra terra rica em energias de ley.
    À medida que os High Elfs cruzaram as terras ásperas e montanhosas de Lordaeron, sua viagem ficava cada vez mais perigosa. Desde que eles estavam efetivamente sem as energias do Well of the Eternity, muitos deles caíram doentes pelo clima frígido ou morreram de fome. Porém, a mudança mais desconcertante era o fato de que eles não eram mais imortais ou imunes aos elementos. Eles também encolheram um pouco em altura, e sua pele perdeu sua cor violeta característica. Apesar de seus sofrimentos, eles encontraram muitas criaturas maravilhosas que nunca tinham sido vistas em Kalimdor. Eles também acharam tribos de humanos primitivos que caçaram ao longo do forestlands antigas. Porém, a ameaça mais medonha que eles encontraram foram os Trolls vorazes e espertos da floresta de Zul'Aman.
    Estes Trolls musgo-esfolados podiam regenerar membros perdidos e podiam curar dolorosos danos físicos, mas eles provaram ser uma raça selvagem e má. O império de Amani estirou-se pela maioria grande maioria do norte de Lordaeron, e os Trolls lutaram para manter os estranhos não desejados nas suas bordas. Os Elfs desenvolveram um ódio profundo por esses Trolls viciosos e os matavam sempre que os encontravam.
    Depois de muitos anos, os High Elfs finalmente acharam uma terra que era rememorativa a Kalimdor. Profundamente dentro das florestas do norte do continente, eles fundaram o reino de Quel'Thalas e juraram criar um império tão poderoso que enfezaria seus primos de Kaldorei. Infelizmente eles aprenderam logo aquela Quel'Thalas foi fundada em cima de uma antiga cidade de Trolls que os Trolls achavam ser sagrada. Quase imediatamente, os Trolls começaram a atacar os Elfs com determinação e massivamente.
    Os Elfs teimosos, pouco dispostos a deixar sua nova terra, utilizaram as magias das quais eles tinham respigando do Well of the Eternity e mantiveram os Trolls selvagens à distância. Debaixo da liderança de Dath'Remar, eles puderam derrotar os Bandos de Guerra de Amani que os excedia em número (dez para um). Alguns Elfs, cautelosos das advertências antigas do Kaldorei, que o uso de magias poderia chamar a atenção da possivelmente banida Burning Legion. Então, eles decidiram mascarar suas terras dentro de uma barreira protetora que lhes permitiria trabalhar os seus encantos. Eles construíram uma série de Runestones monolítico a vários pontos ao redor de Quel'Thalas que marcavam os limites da barreira mágica. As Runestones não só mascaram a magia dos Elfs de ameaças extra-dimensionais, mas ajudaram a amedrontar os Bandos de Guerra dos Trolls supersticiosos.
    Com o tempo, Quel'Thalas se tornou um monumento ilustrando os esforços dos High Elfs e força mágica. Seus belos palácios foram feitos no mesmo estilo arquitetônico dos corredores antigos de Kalimdor, contudo eles foram entrelaçados com a topografia natural da terra. Quel'Thalas tinha se tornado a desejada jóia ilustrando o que os Elfs tinham desejado criar. A Convocação de Silvermoon foi fundada como o poder governante em cima de Quel'Thalas, entretanto a Dinastia de Sunstrider manteve um mínimo poder político. Incluído de sete dos maiores High Elfs, a Convocação trabalhou para afiançar a segurança das terras Elfs e suas pessoas. Cercado por sua barreira protetora, os High Elfs permaneceram impassíveis pelas velhas advertências dos Kaldorei e continuaram usando magia notoriamente em quase todos aspectos de suas vidas.
    Durante quase quatro mil anos os High Elfs viveram pacificamente dentro da segurança provida de seu reino. Não obstante, os Trolls vingativos não eram tão facilmente derrotados. Eles conspiraram e planejaram nas profundidades das florestas e esperaram pelo números de seu Bandos de Guerras crescerem. Finalmente, os exércitos de Trolls poderosos saíram das florestas sombrias uma vez mais indo em direção aos pináculos lustrados de Quel'Thalas.
    Arathor e as Guerras dos Trolls
    2.800 anos antes de Warcraft I
    Como os High Elfs lutam por suas vidas contra os ataques ferozes dos Trolls, dispersos, os humanos nômades de Lordaeron lutaram para consolidar suas próprias terras tribais. As tribos de humanas invadiram uma a outra com a determinação de fazer com cuidado uma unificação racial com honra. Uma tribo, conhecida como Arathi, via que os Trolls estavam ficando muito grandes, uma verdadeira ameaça para se ignorar. O Arathi desejava unir todas as tribos sob seu comando de forma que eles poderiam prover uma frente unificada contra os Bandos de Guerra dos Trolls.
    Em seis anos, os espertos Arathis dominaram todas as tribos rivais. Depois de todas as suas vitórias, os Arathis ofereceram paz e igualdade às tribos conquistadas; assim, eles ganharam à lealdade desses tinham sido abatidos. Eventualmente a tribo do Arathi veio incluir muitas tribos discrepantes, e seus exércitos cresceram e ficaram cada vez mais vastos. Confiantes que eles pudessem acabar com os próprios Bandos de Guerras dos Trolls ou até mesmo os Elfs reclusos se fossem necessário, os Mestres de Guerra do Arathi decidiram construir uma cidade com uma fortaleza poderosa nas regiões sulistas de Lordaeron. A cidade soberana, nomeada Strom, se tornou o capital da nação de Arathi, Arathor. Como Arathor prosperou os humanos de toda parte do vasto continente viajavam para o sul em busca da proteção e segurança de Strom.
    Unidos debaixo de uma bandeira, as tribos humanas desenvolveram uma cultura forte e otimista. Thoradin, o rei de Arathor, soube que os Elfs misteriosos de northlands estavam debaixo de ataques constantes pelos Trolls, mas se recusou arriscar a segurança de suas pessoas em defesa de estranhos reclusos. Com muitos meses passados com rumores da suposta derrota dos Elfs vieram do norte para baixo. Só quando os embaixadores cansados de Quel'Thalas alcançaram Strom que Thoradin percebeu quão verdadeiramente grande era à ameaça dos Trolls.
    Os Elfs informaram Thoradin que os exércitos dos Trolls eram vastos e que os Trolls tinham destruído Quel'Thalas, eles se mudariam para atacar as southlands. Os Elfs ficaram desesperados, pela medonha necessidade de ajuda militar, eles então concordaram apressadamente a ensinar para certos humanos seletos a usar magia em troca de sua ajuda contra os Bandos de Guerra. Thoradin, desconfiado de qualquer magia, concordou em ajudar os Elfs em sua necessidade. Quase imediatamente, os feiticeiros Elfs chegaram a Arathor e começaram a instruir um grupo de humanos dos modos de magia.
    Os Elfs acharam que embora os humanos fossem inicialmente desajeitados na manipulação de suas magias, eles possuíam uma surpreendente afinidade natural por ela. Cem homens foram ensinados com os mesmos fundamentos dos segredos mágicos dos Elfs: nada mais que o necessário combater os Trolls. Convencido que seus estudantes humanos estavam prontos para ajudar na luta, os duendes deixaram Strom e viajaram para norte ao lado dos exércitos poderosos do Rei Thoradin.
    Os Elfs unidos aos exércitos humanos colidiram de frente com os Bandos de Guerra dos Trolls opressivos ao pé das Montanhas de Alterac. A batalha durou durante muitos dias, mas os exércitos incansáveis de Arathor nunca deram uma polegada de chão antes do contra-ataque dos Trolls. Os senhores Elfs julgaram que o tempo tinha vindo libertar os poderes das suas magias no inimigo. Os cem Magos Humanos e uma multidão de feiticeiros Elfs chamaram abaixo a fúria dos céus e massacraram os exércitos dos Trolls entusiasmadamente. Os fogos elementares impediram os Trolls de regenerar suas feridas enquanto queimavam suas formas torturadas do ao avesso.
    Com os exércitos dos Trolls aniquilados e tentando fugir, os exércitos de Thoradin os seguiram e mataram o último dos seus soldados. Os Trolls nunca se recuperariam completamente de sua derrota, e história nunca veria os Trolls se reerguerem novamente como uma nação. Assegurado que Quel'Thalas foi salva da destruição, os Elfs fizeram um voto de lealdade e amizade à nação de Arathor e para a linhagem de seu rei, Thoradin. Os humanos e Elfs criariam relações de amizade para eras que se seguiram.
    Os Guardiões de Tirisfal
    2.700 anos antes de Warcraft I
    Com a ausência dos Trolls de northlands, os Elfs de Quel'Thalas dobraram seus esforços para reconstruir a sua gloriosa pátria. Os exércitos vitoriosos de Arathor voltaram para casa em Strom nas southlands. A sociedade humana de Arathor cresceu e prosperou, contudo Thoradin, temendo que seu reino se separasse se ele expandisse seu reino, manteve Strom o centro do império de Arathorian. Depois de muitos anos calmos de crescimento e comércio, o poderoso Thoradin morreu de velhice, deixando as gerações mais jovens de Arathor livre ampliar o seu império além das terras de Strom.
    Os cem magos originais que foram ensinados dos modos de magia pelos Elfs ampliaram seus poderes e estudaram as disciplinas místicas dos feitiços muito mais detalhadamente. Estes magos, inicialmente escolhidos por sua força de vontade e espíritos nobres, sempre tinham praticado a suas magias com cuidado e responsabilidade; porém, eles passaram seus segredos e poderes para uma nova geração que não teve nenhum conceito dos rigores de guerra ou a necessidade para ego-restrição. Estes mágicos mais jovens começaram a praticar magia para seu ganho pessoal em sem qualquer responsabilidade para com seus companheiros.
    Como seu império que cresceu e expandiu em terras novas, os mágicos jovens também se esparramaram nas southlands. Brandindo seus poderes místicos, os mágicos protegeram seus irmãos das criaturas selvagens da terra e tornaram possível a construção da nova capital na selva. Ainda, com mais conhecimento e poderes, os magos sempre ficavam mais convencidos e isolados do resto da sociedade.
    A segunda capital de Arathorian foi Dalaran fundada no norte das terras de Strom. Muitos feiticeiros fugidos deixaram para trás as restrições e enclausuramentos de Strom e viajaram a Dalaran onde eles esperavam poder usar seus novos poderes com maior liberdade. Estes magos usaram suas habilidades para construir os pináculos encantados de Dalaran e se divertiram com a perseguição de seus estudos. Os cidadãos de Dalaran toleraram os empenhos dos magos e construíram uma economia de alvoroçada sob a proteção dos magos defensores. Ainda, assim cada vez mais magos praticavam suas artes, e o tecido de realidade ao redor de Dalaran começou a se debilitar e rasgar.
    Os agentes sinistros da Burning Legion que tinha sido banida quando o Well of the Eternity se desmoronara, foram atraídos pelos feitiços usados do mundo descuidado dos magos de Dalaran. Embora estes que demônios relativamente fracos não aparecessem com vigor, eles causavam confusão e caos considerável nas ruas de Dalaran. A maioria destes encontros endiabrados eram eventos isolados, e o Magocrata governante fez o que eles puderam para manter tais eventos escondidos do público. Os magos mais poderosos foram enviados para capturar os demônios errantes, mas eles se achavam freqüentemente desesperados e solitários agentes da Legião poderosa.
    Depois de alguns meses os camponeses supersticiosos começaram a suspeitar que a ordem dos magos estivesse escondendo algo terrível deles. Rumores de revolução começaram a se espalhar pelas ruas de Dalaran com os cidadãos paranóicos questionando os motivos e práticas dos magos que eles tinham admirado uma vez. O Magocrata, temendo que os camponeses se revoltassem e que Strom entrasse em ação contra eles, eles se viraram ao único grupo que eles sentiam que entenderia seu problema particular: os Elfs.
    Ao ouvir as notícias do Magocrata, de que havia atividades endiabradas em Dalaran, os Elfs despacharam rapidamente seus feiticeiros mais poderosos para as terras humanas. Os feiticeiros Elfs estudaram as correntes de energia em Dalaran e fizeram relatórios detalhados de toda atividade endiabrada que eles viram. Eles concluíram que embora houvesse só alguns demônios soltos no mundo, a Legião permaneceria uma ameaça cada vez mais perto com os humanos soltando e brandindo suas magias e feitiços.
    O Conselho de Silvermoon que regrou os Elfs de Quel'Thalas entrou em um pacto secreto com o Magocraat de Dalaran. Os Elfs contaram para o Magocrata sobre a história de Kalimdor e a antiga Burning Legion, uma história que ainda ameaçava o mundo. Eles informaram os humanos que se eles usassem magias, eles precisariam proteger seus cidadãos coletivamente dos agentes maliciosos da Legião. O Magocrata propôs a idéia de autorizar um único campeão mortal que utilizaria seus poderes coletivos para lutar uma guerra secreta e sem fim contra a Legião. Foi acordado que a maioria dos seres humanos nunca pudesse saber sobre os Guardiões ou da ameaça da Legião por terem medo que eles se revoltassem em medo e paranóia. Os Elfs aceitaram a proposta e fundaram uma sociedade secreta que assistiria a forma de seleção do Guardião e ajudaria a parar a elevação do caos no mundo.
    A sociedade celebrava suas reuniões secretas nas Clareiras sombreadas de Tirisfal que era o lugar onde os High Elfs tinham feito seu primeiro acampamento em Lordaeron. Assim, eles nomearam a seita secreta de os Guardiões de Tirisfal. Foram muito os campeões mortais que foram escolhidos para ser o Guardião com poderes incríveis dos Elfs e a magia humana. Embora só houvesse um Guardião de cada vez, eles possuíam tal poder que eles pudeiam lutar com uma mão com os agentes da Legião onde quer que eles fossem achados no mundo. O poder do Guardião era tão grande que só o Conselho de Tirisfal foi permitido escolher os sucessores em potencial de tal cargo. Sempre que um Guardião ficava muito velho, ou cansado da guerra secreta contra caos, o Conselho escolhia um novo campeão, e sobre condições controladas, formalmente eles passavam o poder do Guardião para um novo agente.
    Com o passar das gerações, os Guardiões defenderam a humanidade da ameaça invisível da Burning Legion ao longo das terras de Arathor e Quel'Thalas. Arathor cresceu e prosperou junto com o uso e a expansão da magia ao longo do império. Enquanto isso, os Guardiões mantiveram-se alertas e cuidadosos para sinais de atividade endiabrada.
    Ironforge - o Despertar do Dwarves
    2.500 anos antes de Warcraft I
    Nos tempos antigos, depois que os Titãs partirão de Azeroth, as suas crianças, conhecidas como térreos, continuaram amoldando e vigiando em intervalos para o fundo do mundo. Os térreos eram despreocupados com os negócios das raças da superfície-terrestre e só desejavam explorar as profundezas escuras da terra.
    Quando o mundo foi dividido pela implosão do Well of the Eternity, os térreos foram profundamente afetados. Bobinando com a dor da própria terra, os térreos perderam sua identidade e se fecharam dentro das câmaras de pedra onde eles foram criados. Uldaman, Uldum, Ulduar. . . Estes eram os nomes das antigas cidades Gigantescas onde os térreos deram forma. Enterrados profundamente em baixo do mundo, os térreos descansaram em paz por quase oito mil anos.
    Embora esteja obscuro o que os despertaram, os térreos lacrados dentro de Uldaman eventualmente surgiram da sua soneca ego-imposta. Estes térreos acharam que eles tinham mudado significativamente durante sua hibernação. As suas peles rochosas tinham amolecido e tinham se tornado pele lisa, e seus poderes e habilidades sobre pedra e a terra tinham minguado. Elas tinham se tornado criaturas mortais.
    Se chamando dwarves, o último térreo andou pelos corredores de Uldaman e se arriscou a andar no mundo se despertando. Silêncio acalmado pela segurança e maravilhas dos lugares fundos, eles fundaram um reino vasto debaixo da montanha mais alta da terra. Eles nomearam sua terra de Khaz Modan, ou "Montanha de Khaz", em honra do Titã shaper, Khaz'goroth. Construindo um altar para seu pai Titã, os dwarves fizeram uma forja poderosa dentro do coração da montanha. Assim, a cidade que cresceu ao redor da forja seria chamada Ironforge.
    Os dwarves, eram por natureza fascinados com o moldar de gemas e pedra, minaram as montanhas circundantes por riquezas e metais preciosos. Contentes com o seu trabalho debaixo do mundo, mantiveram-se isolados dos assuntos dos seus vizinhos da superfície.
    Os Sete Reinos
    1.200 anos antes de Warcraft I
    Strom continuou a ser o centro de Arathor, mas tal como Dalaran, muitas cidades apareceram ao longo do continente de Lordaeron. Gilneas, Alterac, e Kul Tiras foram as primeiras a aparecer, e apesar de cada uma ter os seus costumes e trabalhos de comércio estas mantiveram a unificante autoridade de Strom.
    Sobe a vigilante ordem de Tirisfal, Dalaran tornou-se o principal centro de aprendizagem de magia. Os Kirin Tor foi uma seita criada para ficar encarregue de catalogar e investigar todas as magias, artefatos e objetos mágicos conhecidos pela humanidade.
    Gilneas e Alterac tornaram-se fortes assistentes de Strom e desenvolveram fortes exércitos que exploraram a região montanhosa a sul de Khaz Modan. Fui durante este período que os humanos e anões pela primeira vez se encontraram e viajaram até Ironforge. Aí partilharam segredos de engenharia e de trabalhar o metal e descobriram o amor comum nas guerras e nos contos de historias.
    A cidade de Kul Tiras, fundada numa grande ilha a sul de Lordaeron, desenvolveu uma economia baseada na pesca e transporte. Com o tempo, Kul Tiras construiu uma poderosa armada mercantil e viajou pelo desconhecido na procura de novos produtos exóticos para trocar e vender. Apesar da economia de Arathor crescer, os seus fortes elementos começaram a desintegrar-se.
    Após algum tempo, os senhores de Strom procuraram as luxuosas terras do norte de Lordaeron deixando as áridas terras do sul. Os herdeiros do rei Thoradin, os últimos descendentes da linhagem de Arathi, discutiram que Strom não deveria ser abandonada e tal deixou descontente a maior parte dos cidadãos pois também ansiavam partir. Procurando a pureza e iluminação no norte, decidiram deixar a antiga cidade. A norte de Dalaran construíram a nova cidade que chamaram Lordaeron. O continente inteiro teria o nome a partir desta cidade. Esta cidade tornou-se um local para os viajantes religiosos que procuravam paz interior e segurança.
    Os descendentes de Arathi, deixados com as antigas paredes de Strom, decidiram viajar para sul de Khaz Modan. A sua jornada finalmente acabou após longas estações, e ficaram na parte mais a norte da região do continente que iriam chamar Azeroth. No fértil vale encontraram o reino de Stormwind, que rapidamente se tornou auto-suficiente.
    Alguns guerreiros que ficaram em Strom decidiram manter e guardar as antigas moralhas da cidade. Strom não era mais o centro do império, mas desenvolveu-se numa nova nação chamada Stromgarde. Apesar de cada cidade prosperar por si mesma, o império de Arathor tinha-se desintegrado. Cada nação desenvolveu os seus costumes e crenças as quais foram ficando cada vez mais afastadas umas das outras. A visão do rei Thoradin de unificar a humanidade tinha finalmente desaparecido.
    Aegwynn e a Caça ao Dragão
    823 anos antes de Warcraft I
    Apesar das políticas e rivalidades das sete nações humanas a linha de guardiões manteve a sua constante luta contra o caos. Houve muitos guardiões ao longo dos anos. Um dos últimos guardiões da era destacou-se pela na luta contra a sombra. Aegwynn, uma humana ganhou a aprovação da ordem e fui lhe dado um imenso poder. Ela trabalhou na caça e erradicação dos demônios onde quer que ela os encontre, mas questionava a autoridade masculina que dominava o concelho de Tirisfal.
    Ela acreditava que os antigos Elfs e os homens que presidiam o concelho eram demasiado rígidos na maneira de pensar e não suficientemente clarividentes para porem um fim decisivo no conflito contra o caos. Impaciente com as longas discussões e debates, ela provou ser merecedora aos seus superiores, ao escolher valor em vez de senso em situações cruciais.
    Ao controlar melhor o poder cósmico de Tirisfal, Aegwynn passou a conhecer o poderoso número de demônios que estavam no continente gelado a norte, no continente de Northrend. Viajando para o distante norte, Aegwynn seguiu os demônios até às montanhas, onde encontrou os demônios que estavam a caçar um dos últimos dragões sobreviventes e drenando da antiga criatura a sua magia. Os poderosos dragões, que tinham fugido dos avanços da sociedade mortal, encontraram-se demasiado equilibrados com a força negra da Legion. Aegwynn confrontou os demônios e ajudou o nobre dragão a erradicá-los.
    Contudo, o último demônio foi banido do mundo mortal, e uma grande tempestade apareceu no norte. Um enorme rosto apareceu no céu sobre Northrend. Sargeras, o rei demônio e senhor da Burning Legion apareceu perante Aegwynn com energia infame e negra. Informou então a jovem guardiã que o tempo de Tirisfal estava a acabar e que o mundo iria brevemente curvar-se perante o poder da Legion.
    A orgulhosa Aegwynn, acreditando ser capaz de derrotar o ameaçador deus, desencadeou o seu poder contra Sargeras. Com uma vontade desconcertante, Aegwynn lutou e teve sucesso em destruir a forma física de Sargeras. Temendo que o espírito permanecesse a inconsciente Aegwynn, fechou-o dentro de uma muralha antiga de Kalimdor que tinha sido destruída e enviada para o fundo do mar quando o Well of Eternity colapsou. Aegwynn nunca saberia que tinha feito exatamente o que Sargeras tinha planeado. Ela tinha inadvertidamente selado o destino do mundo mortal, para Sargeras, na altura da sua morte corporal, transferiu o seu espírito para o enfraquecido corpo de Aegwynn. Sem conhecimento da jovem guardiã, Sargeras iria permanecer escondido nos obscuros cantos de sua alma por longos anos.
    A Guerra dos Três Martelos
    230 anos antes de Warcraft I
    Os dwarves da montanha de Ironforge viveram em paz por muitos séculos. No entanto a sua sociedade crescera demasiada dentro das suas cidades. Apesar do poderoso rei, Modimus Anvilmar, governar todos os anões com justiça e sabedoria, três poderosas facções apareceram na sociedade dwarven, sendo primos.
    O clã Bronzebeard, governando por Thane Madoran Bronzebeard, mantinha laços próximos com o rei e manteve-se como tradicional defensor da montanha Ironforge. O clã Wildhammer, governando por Thane Khardros Wildhammer, que habitava a base e precipícios da montanha e procurava ganhar mais controlo sobre a cidade no interior. O Terceiro clã, os Dark Iron, era governado pelo mago Thaurissan. Os Dark Iron escondiam-se nas profundas sombras debaixo da montanha e conspiravam contra os Bronzebeard e os Wildhammer.
    Por algum tempo as três facções mantiveram uma tênue paz, mas tensões surgiram quando o rei Anvilmar morreu de velhice. Os três clãs governantes entraram em guerra pelo controle de Ironforge. A guerra civil dos dwarves continuou por muitos anos debaixo da terra.
    Eventualmente os bronzebeards que tinham o maior exército, baniram os Dark Irons e Wildhammers da montanha.
    Khardros e os seus guerreiros Wildhammer viajaram para norte através dos portões de Dun Algaz, e descobriram o seu próprio reino no distante pico de Grim Batol. Lá, os Wildhammer reconstruíram os tesouros e prosperaram. Taurissan e os seus Dark Iron não aceitaram tão bem. Humilhados e enraivecidos pela derrota, eles prometeram vingança contra Ironforge. Thaurissan fundou uma cidade com o seu nome dentro das belas montanhas de Redridge, a sul. Prosperidade e os anos pouco fizeram para diminuir o rancor para com os seus primos. Thaurissan e a sua mulher feiticeira, Modgud, lançaram dois assaltos contra Ironforge e Grim Batol. Os Dark Irons queriam controlar toda a zona de Khaz Modan.
    Dark Iron foi ao encontro das fortalezas de seus primos e quase tomaram ambos os reinos. No entanto Madoran Bronzebeard liderou o seu clã numa vitória decisiva sobre o exército de Thaurissan. Thaurissan e seus servidores fugiram de volta para a segurança de sua cidade, desconhecendo os acontecimentos em Grim Batol onde o exército de Modgud não estava a fazer melhor contra Khardros e os guerreiros de Wildhammer.
    Ao confrontar os guerreiros, Modgud usou os seus poderes para criar medo nos seus corações. Sombras mexiam ao seu comando, e coisas obscuras saíram das profundezas da terra para perseguir os Wildhammer nas suas muralhas. Eventualmente Modgud quebrou os portões e pôs a fortaleza sob cerco. Os Wildhammer lutaram desesperadamente, e Khardros lutou através das massas para matar a rainha feiticeira. Com a sua rainha morta, os Dark Iron fugiram perante a fúria dos Wildhammer. Correram para sul, mas apenas para encontrar o exército de Ironforge que ia ajudar em Grim Batol. Encurralados entre dois exércitos os restantes Dark Iron foram rapidamente destruídos.
    As forças combinadas de Ironforge e Grim Batol foram então para sul. Com o intuito de destruir Thaurissan e os Dark Irons de uma vez por todas. Não tinham ido muito longe quando Thaurissan fez um feitiço de proporções catastróficas. Procurando chamar uma criatura supranatural que iria assegurar a sua vitória, Thaurissan chamou pelo antigo poder adormecido sob o mundo. Para sua surpresa, a criatura que imergiu era mais terrível que qualquer pesadelo que poderia imaginar.
    Ragnaros, O Senhor do Fogo, imortal senhor de todos os elementais de fogo, tinha sido banido pelos Titãs quando o mundo ainda era jovem. Agora, liberto pelo chamamento de Thaurissan, Ragnaros desfez as montanhas de Redridge e criou um violento vulcão no centro da devastação. O vulcão, conhecido por Blackrock Spire, fez fronteira com Searing Gorge a norte e Burning Steppes a sul. Apesar de Thaurissan ter sido morto pela força que libertou, os seus súbditos sobreviventes foram escravizados por Ragnaros e seus elementais e permaneceram em Blackrock Spire até hoje...
    Ao verem a horrível destruição e fogo a espalhar pelas montanhas a sul, o Rei Madoran e Rei Khadros retrocederam o ataque, regressando aos seus reinos, sem vontade de enfrentar a incrível raiva de Ragnaros.
    Os Bronzebeards regressaram a Ironforge e reconstruíram a sua gloriosa cidade. Os Wildhammers regressaram também para sua casa em Grim Batol, mas a morte de Modgul tinha deixado uma mancha negra na fortaleza, achando-a assim inabitável. Ficaram muito magoados pela perda da sua amada fortaleza. O rei Bronzebeard ofereceu um sítio dentro das fronteiras de Ironforge para eles viverem, mas os Whildhammers recusaram. Khadros levou o seu povo para norte na direção de Lordaeron. Nas luxuosas florestas de Hinterlands, os Wildhammers criaram a cidade Aerie Peak, onde eles cresceram mais perto da natureza e até criaram ligações com os poderosos gryphons da área.
    Procurando reter relações e comércio com os seus primos, os dwarves de Ironforge construíram dois massivos arcos, Thandol Span, ponte entre Khaz e Lordaeron. Com o comércio, ambos os reinos prosperaram. Após as mortes de Madoran e Khardros, os seus filhos mandaram fazer juntas duas grandes estátuas em honra dos seus pais. As duas estatuas ficariam a guardar a passagem para sul, onde estava à presença vulcânica de Ragnaros. Ambas as estátuas serviam como aviso para quem ousasse atacar os reinos dos dwarves, lembrando o que aconteceu em tempos antigos...
    Os dois reinos mantiveram estreitos laços por alguns anos, mas os Wildhammer tinham sido terrivelmente marcados pelos horrores que tinham visto em Grim Batol. Eles preferiram viver sob o chão na sua cidade Aerie Peak, em vez de perfurarem o reino entre as montanhas. As duas ideologias diferentes levaram a que os dois clãs de anões eventualmente os seus modos ficassem diferentes.
    O Último Guardião
    45 anos antes do Warcraft I
    A guardiã Aegwynn foi ficando cada vez mais poderosa com o passar dos anos e usou os poderes de Tirisfal para expandir a sua vida. Acreditando que tinha derrotado Sargeras para sempre, ela continuou a proteger o mundo dos demônios durante quase novecentos anos. No entanto, o concelho de Tirisfal finalmente decretou que a sua altura tinha chegado ao fim. O concelho decidiu que ela voltasse a Dalaran para que se pudesse escolher um novo sucessor. Mas, Aegwynn, sempre desconfiada do concelho, escolheu um sucessor.
    A orgulhosa Aegwynn planeou ter um filho para quem ela iria entregar todo o seu poder. Ela não tinha intenção de permitir que a Ordem de Tirisfal manipula-se o seu sucessor como tinham tentado manipulá-la. Viajando para o sul da nação de Azeroth, ela encontrou o pai perfeito para o seu filho: um hábil mágico conhecido como Nielas Aran. Aran era o conselheiro do rei de Azeroth. Aegwynn seduziu o mago e convenceu-o a dar-lhe um filho. A afinidade por poder de Nielas iria ficar dentro da criança e definiria o trágico futuro que iria acontecer mais tarde. O poder de Tirisfal estava também implantado na criança, mas apenas acordou quando a criança atingiu maturidade física.
    O tempo passou, e Aegwynn deu à luz o seu filho num sítio isolado. Nomeando o filho Medivh, que significa "guardador de segredos" na linguagem dos High Elves, ela acreditou que o rapaz iria ser o próximo guardião. Infelizmente o maléfico espírito de Sargeras, que se tinha escondido dentro dela, tinha possuído a indefesa criança enquanto estava dentro do ventre da mãe. Aegwynn desconhecia que o mais novo guardião estava já possuído pelo seu maior inimigo...
    Aegwynn entregou a criança ao tribunal de Azeroth e deixou-o lá para ser criado pelo seu pai mortal. Ela então vagueou pelo mundo para passar para o pós vida que esperava por ela. Medivh cresceu e ficou um forte rapaz e não tinha noção do potencial poder de que lhe fora passado.
    Sargeras esperou até o poder do jovem se ter manifestado. Quando Medivh chegou à adolescência, era já conhecido em Azeroth pelos seus poderes mágicos e costumava ir a aventuras com os seus dois amigos: Llane, o príncipe de Azeroth e Anduin Lothar, um dos descendentes da linhagem de Arathi. Os três rapazes constantemente causavam confusão no reino, mas eram apreciados pela maior parte dos cidadãos.
    Quando Medivh chegou aos catorze anos o cósmico poder dentro dele acordou e embateu com o espírito de Sargeras que se escondia na sua alma. Medivh caiu num estado caótico que durariam largos anos. Quando acordou do estado de coma, descobriu que era já adulto e que os seus amigos tinham se tornado reitor de Azeroth. Apesar de querer usar os seus poderes para proteger a terra que chamava de casa, o escuro espírito de Sargeras distorceu os seus pensamentos e emoções na direção de um fim maligno.
    Sargeras revelou-se no escurecido coração de Medivh, pois sabia que os seus planos para uma segunda invasão do mundo estavam quase completos e que o último guardião do mundo os traria...

      Data/hora atual: 12/9/2016, 10:26